missa_papa_francisco

O Papa presidiu a Santa Missa no Parque Bicentenário em Quito. Fiéis comentam a emoção do momento e os frutos que o Papa deixa ao país

Muita expectativa, fé e emoção marcaram a manhã desta terça-feira 7, na Missa que o Papa Francisco presidiu no Parque Bicentenário, antigo aeroporto de Quito, capital do Equador. Segundo estimativas, dois milhões de pessoas devem ter participado da Celebração Eucarística.

Por volta das 10 horas da manhã, o Santo Padre chegou ao local para o tradicional giro de papamóvel. Os fiéis já o aguardavam neste lugar desde a noite anterior. Milhares de pessoas se reuniram em uma vigília de oração no Parque Bicentenário e, mesmo com a chuva que atingiu a capital Quito, passaram a noite lá e ficaram até o amanhecer do dia para participar da Santa Missa, cujo início foi às 10h30 (horário local; 12h30 em Brasília).

Fiéis-relatam-a-emoção-de-p

A voluntária Maria Gloria Paredes ajudou nos preparativos para receber o Papa e os fiéis. Ela contou que o trabalho foi grande, mas muito gratificante por poder servir a Deus. “É uma entrega total, e uma entrega de amor. Passamos por chuva, granizo, frio durante a noite toda, desde a tarde de ontem. É a coisa mais maravilhosa porque estamos servindo a Deus próximos ao Papa”.

Para Maria Gloria, o principal fruto dessa visita de Francisco é a semente de amor que ele deixa. “Mesmo que os países enfrentem conflitos e problemas, a mensagem que ele deixa é aquela de Jesus: amar uns aos outros. Esse é o nosso trabalho de entrega total. Estamos cansados, mas a entrega é maravilhosa”.

Também voluntário na Santa Missa, Andres Paladinos testemunha que foram três meses de preparação com muito esforço e dedicação para que tudo estivesse pronto no grande dia. “Foi uma ótima experiência, uma das melhores que eu já tive na minha vida! Posso falar que gostei muito mesmo”.

fiéis_parque_bicentenario

Segundo a estudante Valéria Pazmino, natural de Quito, participar da Missa com o Papa Francisco foi uma experiência única e indescritível. A celebração representou, para ela, uma forma de dizer muita coisa ao mundo. “Em primeiro lugar, vamos rogar pela situação política no Equador, pela situação mundial dos católicos, pois, ao redor do mundo, estão morrendo milhares de católicos por professar sua religião. É uma situação muito difícil”.

Ela não deixou de manifestar o agradecimento que deve ser dirigido ao Sumo Pontífice por seu exemplo de humildade. “Ele pratica o que prega, é o homem mais pragmático que já conheci”.

Jéssica Marçal
Enviada especial a Quito

Fonte: cancaonova.com